ANSIBLE SERIES: h.t.wrt* … tasks, plays e books: como escrevê-los?

* Sigla para: < How To Write >

Recapitulando o que vimos até o momento acerca do Ansible:

  • Teoria
    • DevOps: conceito, história, curiosidades ✅
    • Por que automatizar com ansible? ✅
    • 5 conceitos fundamentais ✅
  • Prática
    • Linha de comando, hello.YML e Ad-Hoc ✅
    • Web console: AWX/TOWER ✅
    • Como executar um JOB graficamente em tempo real ✅

Poxa vida! 😲 Eu diria um bocado não é mesmo? Sendo ou não, o que importa é que a estrada ainda se encontra a nossa frente e aos poucos, devagar, mas com passos firmes vamos progredindo no ROADMAP de um DEVOPS. Portanto, e acho que todos já estão acostumados com as minhas deixas (ou chamados) para iniciar um POST do blog … Hey Ho! Let’s go!

Muito bem jovens, ao que interessa então. Se você já buscou material, ou até mesmo cursou algum tipo de preparatório para o Ansible, as chances do professor ter abordado logo no começo (imediatamente após o briefing/overview) esses itens que vou mostrar é muito grande. Em outras palavras, e simplificando, acredito que tenha sido dessa forma: 1. o que é ansible? / 2. definições e termos / 3. prompt, módulos e comandos ad-hoc / para finalmente chegar em 4. como escrever playbooks. Por último é que eles mostram o AWX, boas práticas, roles, hosts windows, network e paramiko, etc. Mas e daí Victor? Eu sei, não há nada de errado com isso. Cada um ministra e monta seu plano de aulas da maneira que achar melhor aos estudantes. E tudo bem, ok. Mas no nosso caso, vocês e eu, quis inverter um pouco as coisas e adiantar logo a parte gráfica do ansible, ou seja, o tower/awx. Na verdade o meu intuito era “cativar” a todos apresentando de cara as duas faces do mesmo: linha de comando e interface web. Assim cada pessoa poderia escolher a melhor forma de trabalhar, de acordo com seu gosto e afinidade. Gosta de terminal? Ótimo, vá de CLI e seja feliz! Não, prefiro botões, gráficos e menus. Maravilha, pegue a GUI e curta a vida! O que quero dizer aqui é não existe método certo ou errado, melhor ou pior. Não, pelo contrário, há vantagens e desvantagens em cada um deles. Cabe tão somente a você pesar os prós e contras e escolher sua forma de operar. Lembrando sempre que é possível combiná-las tá? Por exemplo, tal tarefa é mais rápido e comodo se fizer via bash, já aquela outra é necessário maior controle de usuários e permissões, então farei por meio da web. Entenderam? Ou enrolei demais? 🤔

POOL DE INFORMAÇÕES

https://docs.ansible.com/

Desde sempre admirei empresas de tecnologia, bem antes de entrar na faculdade. Talvez por isso que enveredei para este ramo. Google, Microsoft, IBM, Facebook, e tantas outras (ora gigantes, ora um pouco mais modestas) foram alguns exemplos de modelo a perseguir, almejar e quem sabe um dia entrar no time… Uma vez imerso nesse grande oceano, chamado TI, passei a ter bastante contato com Linux e suas distros. Além de ter curtido, comecei a ficar de olho, meio que acompanhar notícias e bastidores das empresas idealizadoras/responsáveis. Foi assim que fiquei maravilhado com todo o trabalho por trás de cada uma dessas distribuições. Digo, não apenas o resultado final: o lançamento periódico de novas versões. Mas sim o suporte, divulgação, comunidades, fóruns oficiais, documentação, e afins. Também vale um destaque especial, o principal “cartão de visita” dessas empresas: os websites. Falo sério, você já acessou a Canonical, Red Hat, Suse e System76 ?? É verdadeiro deleite, e de encher os olhos, devido a tanto primor e cuidado com o design e layout. São muito bonitos, sem exceção!!!

E como prova disso, trago a seguir uma captura de tela da página INDEX da documentação do ansible. Podemos dizer que ela é uma espécie de hub central, uma vitrine, para orientar sobre tudo que o mesmo é capaz, e como fazer. Confiram:

Figura 01. Docs INDEX page

Acima devidamente circulado está o nosso foco: a documentação base, ou seja, relacionada ao núcleo, chamado de ansible-core. Pelas próximas semanas vamos nos debruçar sobre a sintaxe, lógica, melhores práticas, organização de pastas e arquivos, reuso de código, otimização, e muito mais. Para isso, irei sempre pontuar já no título do POST em questão, o que vamos aprender nele. Ex: loops, variáveis, templates, roles, e assim por diante.

Qualquer dúvida ou lacuna que porventura tenha deixado, acessem o link e vão direto na fonte para saná-las. Até porque não pretendo abordar absolutamente tudo que está lá, ok? Senão o que estaria fazendo é um simples CTRL-C + CTRL-V do referido conteúdo. E isso não quero, e tão é algo ético. Resumindo: antes de ler aqui, recomendo dar uma estudada pela oficial, por favor. Embora prometo fazer o meu melhor para se aproximar ao máximo dos mestres da Red Hat 🎩

01-a. BECOME: acesso, usuários e permissões

Ansible utiliza meios de escalonamento de privilégios pré-existentes na máquina remota. Isso é o que eles chamam de become. Ele seria o equivalente ao su, sudo, runas e similares. O objetivo é tanto permitir quanto executar tarefas locais nos alvos (nodes), usando privilégios de root ou qualquer outra permissão já criada dentro do nó. O efeito prático disso é torna-se outro usuário¹ dentro do host² em questão, sendo o primeiro completamente diferente daquele que usou para entrar no segundo.

i ) Usando o become

É possível controlá-lo através de tasks, plays, variáveis de conexão ou linha de comando. Em caso de duas ou mais ao mesmo tempo (sim, isso é válido e às vezes comum) consulte atentamente as regras de precedência para as mesmas. Leia mais aqui: https://docs.ansible.com/ansible/latest/reference_appendices/general_precedence.html#general-precedence-rules

! ! ! Diretivas do become ! ! !

Estabeleça como definir o become, controlando o mesmo à nível de task ou play. Variáveis e diretivas são independentes entre si. Por exemplo, definir become_user não é a mesma coisa que “só” become.

become: defina para 'yes' e ative o escalonamento de privilégios
become_user : defina o usuário com os privilégios desejados. ou seja, a credencial que você pretende se tornar e não o usuário que fez login.
become_method : (à nível de play ou task) sobrescreve o método padrão definido em ansible.cfg
become_flags :(à nível de play ou task) permite o uso de flags específicas para uma tarefa ou play. bastante comum quando se quer mudar o usuário para 'nobody' em casos de 'shell' setado para 'nologin'

Por exemplo,

Gerenciar um serviço (daemon) que requer privilégios de root … Em um cenário onde o usuário conectado não é root … Neste caso, utilizamos o valor padrão de become_user, que é justamente ‘root’

- name: Ensure the httpd service is running
  service:
    name: httpd
    state: started
  become: yes

Executar algo como ‘nobody’ quando o shell (terminal) está configurado para ‘nologin’

- name: Run a command as nobody
  command: somecommand
  become: yes
  become_method: su
  become_user: nobody
  become_flags: '-s /bin/sh'

To specify a password for sudo, run ansible-playbook with --ask-become-pass (-K for short). If you run a playbook utilizing become and the playbook seems to hang, most likely it is stuck at the privilege escalation prompt. Stop it with CTRL-c, then execute the playbook with -K and the appropriate password.

! ! ! Variáveis de conexão ! ! !

Nós e grupos suportam diversas, e distintas, opções ‘become’. Em cada gerenciável existe a possibilidade de defini-las em um arquivo inventário, ou usá-las como se fossem variáveis comuns.

São elas,

ansible_become: em termos de finalidade, praticamente uma cópia da diretiva become. ou seja, define se o escalonamento de privilégio será utilizado ou não.
ansible_become_method: escolhe qual forma de privilégio será usada.
ansible_become_user: dita qual usuário você irá se tornar via método de escalonamento. não é a mesma coisa que ansible_become: yes
ansible_become_password: senha do usuário citado anteriormente. é possível, mas não aconselhável, passar segredos em texto plano. aprenda formas mais seguras em https://docs.ansible.com/ansible/latest/user_guide/vault.html#playbooks-vault
! ! ! Opções na linha de comando ! ! !
--ask-become-pass OU -K
Solicita a senha "privilegiada" ... É usada para todos os hosts
--become OU -b
Executa as instruções com o become ... Não necessariamente haverá sempre uma senha
--become-method=BECOME_METHOD
Método utilizado ... Padrão = SUDO ... Outros [su | pbrun | pfexec | doas | dzdo | ksu | runas | machinectl]
--become-user=BECOME_USER
Rode os comandos como este 'usuário' ... Padrão = ROOT ... Não é o mesmo que --become ou -b

ii ) RISCOS E LIMITAÇÕES DO BECOME

Intuitivo mas não perfeito, o become apresenta certas limitações em sua capacidade. O que gera algumas questões “interessantes” a serem avaliadas, para que não se transformem em “desagradáveis”. Todas elas podem ser estudadas no link a seguir:

https://docs.ansible.com/ansible/latest/user_guide/become.html#risks-and-limitations-of-become

  • Riscos de se tornar um usuário sem privilégios
  • Não compatível com todos os plug-ins de conexão
  • Apenas um método pode ser habilitado por host
  • O escalonamento de privilégios deve ser generalista
  • Talvez não seja possível acessar variáveis de ambiente preenchidas por pamd_systemd

CONTINUA (…)

Próximo post >>> LOOPS

REFERÊNCIAS:

https://docs.ansible.com/

https://docs.ansible.com/core.html

https://docs.ansible.com/ansible/latest/

https://docs.ansible.com/ansible/latest/user_guide/index.html

https://docs.ansible.com/ansible/latest/user_guide/index.html#writing-tasks-plays-and-playbooks

https://docs.ansible.com/ansible/latest/user_guide/become.html#become

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s